17°C 29°C
Linhares, ES

Homem queim4do vivo em Linhares: Elielza pega cadeião e não poderá recorrer em liberdade

Persistência da defesa, firmeza na acusação, e a decisão dos jurados para um dos crimes mais cru*éis de 2018 no Município.

13/06/2024 às 20h19
Por: Redação
Compartilhe:
Homem queim4do vivo em Linhares: Elielza pega cadeião e não poderá recorrer em liberdade

E voltou ao debate no Júri Popular desta quinta-feira (13), um dos crimes mais bárbaros registrados em 2018 em Linhares, Norte do Espírito Santo: Um homem que foi queimado vivo por um casal, após uma conversa que começou no interior e se estendeu para fora de um bar. O julgamento foi desmembrado e assim como o homem julgado anteriormente, a ré, julgada nesta quinta, foi condenada pelos jurados. Leia abaixo:

Elielza Silva de Jesus, 46 anos, enfrentou a justiça das 09h30 às 15h52, pela morte de Deivison Pereira Viana, e foi defendida pelo advogado Robledo Mota Pelição. Na acusação, o Promotor de Justiça Claudeval França Quintiliano, e quem presidiu o júri foi o Juiz Tiago Camata. Teve detalhe importante relativo à defesa, que detalharemos logo após os dados da sentença e do crime. Vejamos:

Continua depois da publicidade

A sentença – Os jurados condenaram a ré pela prática do crime de homicídio qualificado consumado (art. 121, §2º, incisos I, III e IV, do Código Penal), e o magistrado fixou a pena definitiva em 29 anos e 09 meses de reclusão, em regime inicial fechado. A prisão foi mantida e Elielza não poderá recorrer em liberdade. Abaixo os detalhes do crime:

Continua após a publicidade

O crime – A vítima foi queimada viva, após o réu, Ediney Vilas Boa Gerônimo, o Pato Rouco ou Baiano, atualmente com 64 anos (já julgado e condenado), atribuir a Deivison Pereira Viana a autoria do furto de uma motoserra, durante uma discussão dentro de um bar, na localidade de Bananal do Sul, interior do Município.

Continua depois da publicidade

Segundo alegou a acusação, a ré aplicou pancadas contra a vítima, utilizando um taco de sinuca, enquanto Ediney concretizou o incêndio no corpo da vítima usando gasolina. Depois de socorrido com vida, a vítima teria agonizando durante 10 dias em um hospital na Grande Vitória, até que veio a óbito.

Voltando à discussão, até que foi apaziguada por duas pessoas, mas o réu, conforme consta na denúncia, chamou a vítima para fora do bar, e com a ajuda de Elielza, jogou a gasolina na vítima. O fato aconteceu nos primeiros minutos da madrugada de 28 de janeiro de 2018.

A defesa persistente – O advogado Robledo Mota Pelição, que defendeu a ré Elielza Silva de Jesus da acusação pela prática de crime de homicídio triplamente qualificado, deu verdadeira aula de direito penal, quando se fala na persistência.

Continua depois da publicidade

Pelição sustentou a culpa da ré tão somente no crime de lesão corporal, que inclusive foi aquilo que confessou em plenário. O advogado fundamentou, ainda, o reconhecimento da participação de menor importância no crime, afinal, conforme entendeu a defesa, a conduta da ré teria sido tão somente de ter atingido a vítima com um taco de sinuca.

Mas não teve jeito: a ré foi condenada pelos jurados, vai aguardar o julgamento do recurso, ainda sob a tutela do Estado, ou seja, presa.

Continua depois da publicidade
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Linhares, ES
16°
Tempo limpo

Mín. 17° Máx. 29°

16° Sensação
0.84km/h Vento
91% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h12 Nascer do sol
05h21 Pôr do sol
Qua 26° 17°
Qui 29° 15°
Sex 30° 16°
Sáb 30° 18°
Dom 31° 19°
Atualizado às 06h03
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,57 -0,05%
Euro
R$ 6,07 -0,03%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,32%
Bitcoin
R$ 394,366,09 -1,43%
Ibovespa
127,859,63 pts 0.19%
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias