Sábado, 28 de Maio de 2022
27 99808-4347
Colunistas 12 meses = 60%

Alta do diesel, o novo desafio do transporte de passageiros

Nos últimos doze meses, alta foi de 60%, causando desequilíbrio econômico às empresas do segmento.

18/01/2022 16h34 Atualizada há 4 meses
Por: Redação
Alta do diesel, o novo desafio do transporte de passageiros

Por Antônio Luiz Comério

Após o impacto gerado pela redução na demanda de passageiros – consequência da pandemia da Covid-19 -, o segmento do transporte rodoviário de passageiros tem um novo desafio a enfrentar: a alta do preço do diesel, que chegou a 60% no período de 12 meses. O combustível, responsável por mover as frotas de ônibus do País, é fundamental para que o serviço de transporte continue a ser apresentado para a população.

Continua depois da publicidade

Clique aqui e siga o Eu Vi em Linhares no Instagram

Segundo dados da Associação Nacional das Empresas de Transpores Urbanos (NTU), o diesel corresponde, em média, 26,6% do custo total das empresas operadoras do transporte coletivo de passageiros. Também de acordo com a NTU, a demanda de passageiros transportados caiu pela metade na pandemia, resultando num prejuízo acumulado, no país, de mais de R$21,37 bilhões no período. Esse prejuízo, afirma a NTU, já fez com que 52 empresas suspendessem a prestação dos serviços ou permanecessem sob intervenção ou recuperação judicial, até o momento.

Continua depois da publicidade

Especialistas apontam que a saída para superar o colapso sem que haja aumento nas tarifas é pautada em três pontos. O primeiro é a viabilização de novas formas de custeio dos serviços de transportes públicos que não dependam somente das tarifas, como a implementação de subsídios para o setor, por exemplo. Depois, a redução dos custos operacionais sem redução da oferta de transportes e, ainda, ações em infraestrutura que deixam os ônibus mais eficientes e com maior velocidade operacional, como mais faixas, corredores e preferência em cruzamentos.

O Secretário-geral do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Espírito Santo – Setpes - chama a atenção para necessidade de enfrentamento a este novo desafio, que não é apenas do segmento de transporte de passageiros, mas de todo o setor de transportes. “O impacto deste cenário para as empresas é muito grande! Há a necessidade de pagamento, por parte das empresas, de outros custos, como a folha de pagamento e a manutenção de veículos. Por isso, é inviável manter um gasto tão elevado com insumos. Precisamos urgentemente de uma solução compartilhada para essa questão”, argumenta o dirigente.

Posicionamento da NTU

Em recente entrevista, o presidente-executivo da NTU, Otávio Cunha, se posicionou, afirmando que a alta do diesel nos níveis atuais compromete de forma irreversível a recuperação do setor de transporte público.

Continua depois da publicidade

Num cenário que junta reajuste de salários de motoristas e cobradores a inflação em alta, as tarifas do transporte público em todo o país poderão subir em média 50%, e mais uma vez culpa a omissão do governo federal diante da crise do transporte coletivo no país como um dos fatores principais do problema. “A manutenção das atuais regras dos contratos de concessão podem levar ao aumento no custo final do transporte para o passageiro”, afirmou o dirigente.

Antônio Luiz Comério é Advogado e Administrador de Empresas

Continua depois da publicidade

Fonte: NTU e SETPES

9 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias