Domingo, 29 de Novembro de 2020
27 99808-4347
Saúde Farmácia

Produtos infantis representam 10% do faturamento de itens de farmácia no ano, aponta levantamento

Fraldas aparecem em segundo lugar na lista.

20/10/2020 08h13 Atualizada há 1 mês
Por: Redação
Produtos infantis representam 10% do faturamento de itens de farmácia no ano, aponta levantamento

Além dos cuidados em relação à pandemia, a saúde das crianças num todo vem sendo cada vez mais observada de perto pelos pais. Prova disso, é o levantamento realizado por um aplicativo de vendas online de itens de saúde e beleza. Segundo o estudo, no mês de setembro os produtos infantis representaram 30,25% de todo o faturamento da categoria em 2020. O crescimento da categoria que representa 10% da receita total dos itens de farmácias no ano.

Dentre os produtos mais vendidos, os itens mais procurados foram em relação à alimentação (52,2%) e higiene (39,3%). As fórmulas infantis - indicados para recém-nascidos e bebês de até 6 meses - foi a categoria com maior crescimento apresentando 39% do faturamento total. Além disso, o mês de setembro foi o que mais teve vendas desses produtos, representando 34,7% de toda a receita da subcategoria em 2020 até agora.

Outro destaque, as fraldas aparecem em segundo lugar em faturamento Com 37% do total de vendas por unidade de produtos infantis, a subcategoria teve como pico o mês de julho, que representou 31% de todo montante.

Por fim, os compostos lácteos - produtos destinados à complementação alimentar para crianças maiores de 1 ano – aparece como 3º colocado do ranking de vendas, somando 11% da receita de produtos infantis. Segundo o Farmácias APP, setembro foi o mês com maior venda dessa categoria na plataforma, representando 87% do total de vendas de em 2020 até o momento.

‘’Quando pensamos na pandemia do novo Covid-19, certamente pensamos nos bebês e crianças que também foram impactados direta ou indiretamente pelo isolamento social. O levantamento traz mais que número, traz uma realidade, de milhares de brasileiros em suas casas, no home office ou não, que cuidam de seus filhos sem que precisem sair de suas casas”, explica Renata Morais, coordenadora de marketing do aplicativo. “Os dados refletem um comportamento mais atencioso em relação a saúde infantil, com o crescimento nas vendas mês a mês”, conclui. (Por Murilo Sarro).

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias