Quarta, 23 de Setembro de 2020
27 99808-4347
Colunistas Preste atenção

E se...: Como é viver com ansiedade

O dilema de pessoas assim estão sempre pensando no que deveriam ter feito e não fizeram.

11/12/2019 09h28
Por: Redação
E se...: Como é viver com ansiedade

Dorme menino, dorme...

- Dorme menino, dorme. Não chora na noite escura. Aí vem sua irmã com 5 velas, iluminando o céu e suas estrelas.

- E se as velas apagarem?

- Se as velas apagarem vem seu pai pelo jardim, com seu violino e canções sem fim.

- E se o violino parar?

- Se o violino parar, vem seu avó pelo caminho, com 5 papagaios e 3 passarinhos.

- E se os passarinhos não cantarem?

- Se os passarinhos não cantarem, vem sua tia do Sul e traz uma manta preta a azul.

- E se a manta for com o vento?

- Se a manta for com o vento, vem seu avô devagarinho, com leite fresco e um lampiãozinho.

- E se o leite derramar?

- Se o leite derramar...Aaah! Como que é? Não pergunta tanto, José. Aqui está sua caneca com leite morno, sua manta de lâ fina, seus pássaros de muitas cores e o violino com seus encantos e tem cinco velas, iluminando os cantos.

- Dorme menino, dorme. Enquanto lá fora o vento soprar, esta estória eu vou contar.

Esta é uma estória de um livro infantil da autora Laura Herrera, que minha filha gosta muito. Faz parte da Coleção Itaú que incentiva hábitos de leitura para criança. Este livro que conta a estória de José, um menino que não dorme a noite, preocupado com as coisas que poderão acontecer na sua vida e por mais que sua mãe tente acalmá-lo e levá-lo a olhar o lado bom da vida, ele sempre ressalta as expectativas negativas sobre o viver. 

Ainda bem que estes detalhes da ansiedade de José, passam despercebidos à percepção de minha pequena, que atenta, fica sob o controle dos desenhos e das rimas poéticas do livro. Porém José é um menino de comportamento ansioso, vive angustiado e observa-se no livro, que o garoto não consegue controlar esta angústia, sempre verbalizando “E se...”E se...”E se”...sempre a espera de que algo negativo aconteça.

 Preocupação e angústia são duas palavras bem conhecidas no vocabulário de Pessoas ansiosas. Pessoas assim estão sempre pensando no que deveriam ter feito e não fizeram, estão sempre cansadas, esgotadas mentalmente, pensam em muitas coisas ao mesmo tempo, estão de mau humor constante, não conseguem dormir direito, sentem “aperto” no peito que não conseguem explicar, tem pensamentos de fracasso, incompetência, sentimento de tristeza e insegurança, podem ter sua respiração comprometida, acarretando tensões musculares, alteração no ritmo do coração, que parece acelerar do nada, podem ser desencadeados também, problemas no aparelho digestivo, como gastrite, úlceras, indigestão, e por aí vai. Nossa! Só de ler já angustia, né? Claro, que cada pessoa vai ter um quadro de sintomas, mas em geral estes que citei são alguns dos sintomas bem comuns.

Enfim, a estória de José, é a história de muitas pessoas que sofrem com ansiedade, este estado emocional que nos deixa sempre apreensivos, preocupados, com pensamentos catastróficos sobre a vida presente e futura, e em estado de alerta constante, nos levando a um desgaste físico e emocional que interferem diretamente em nosso bem estar, na rotina da nossa vida e nos nossos relacionamentos. Conhece alguém assim? Vão aqui umas dicas bem básicas para iniciar o enfrentamento deste transtorno:

- Assuma responsabilidades e evite adiar a resolução dos seus problemas. Nada de “empurrar” com a barriga, faça o que tem que ser feito e faça logo.

- Observe se você tem o costume de fugir ou evitar situações que julga aversivas. Enfrente seus problemas. Fugir vai piorar tudo.

- Tome cuidado com o "E se?", frases do tipo: E se eu levar um não? E se eu reprovar? E se eu travar na hora de apresentar o trabalho? Podem indicar comportamento ansioso, que se você não aprender a lidar, poderão te limitar, prejudicando sua rotina e seu desenvolvimento pessoal, profissional e etc.

- Busque se conhecer. Conheça suas dificuldades, potencialidades, esteja disposto a aprender mais sobre você, esteja disposto à mudança. Busque ajuda profissional.

Adriana de Azevedo Barbosa, Psicóloga (CRP 3276/16), Educadora de pais, terapeuta familiar, Psicopadagoga, Palestrante.  Contato: 27 99812 2283 – email: [email protected]

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias