Renova

Rio Pequeno: Começa segunda etapa de obras determinadas pela justiça em Linhares

As informações são da Fundação Renova.

06/12/2019 17h23
Por: Redação

A Fundação Renova informa que, em cumprimento a decisão judicial, deu início à segunda etapa das obras de descomissionamento do barramento do rio Pequeno, em Linhares. As intervenções começaram no dia 3 de dezembro e têm previsão de duração de até 30 dias.

A remoção do barramento acontece após a conclusão da primeira etapa de instalação da base da ensecadeira na parte jusante (abaixo) do atual barramento com a aprovação da Aecom, empresa que atua como perito judicial.

A ensecadeira é uma estrutura provisória que impede o contato das águas do rio Doce com a lagoa Juparanã. Caso o nível do rio Doce aumente, a ensecadeira será alteada (elevada). Atualmente, o nível da lagoa Juparanã está em 7,47 metros.

A decisão proferida pela 12ª Vara Federal de Belo Horizonte (MG) determinou a remoção do barramento em duas etapas, após análises realizadas por empresas especializadas apontarem riscos estruturais. Esse cenário poderia causar o rompimento do barramento e colocar em risco a integridade dos moradores no entorno.

A atuação da Fundação Renova para garantir a segurança das obras e das famílias em seu entorno é realizada por profissionais das áreas de Infraestrutura, Engenharia, Diálogo, Saúde, Proteção Social, Meio Ambiente, Segurança e Contingência.

Estudos realizados

Após estudos realizados por uma consultoria técnica especializada apontarem riscos estruturais no barramento, a empresa Themag Engenharia foi contratada pela Fundação Renova a pedido da Aecom para a validação dos resultados.

A Themag também atestou a existência de problemas na estrutura e recomendou a execução de obras.

Além disso, o estudo apontou cinco cenários de risco a serem considerados em caso de rompimento do barramento, nos quais as casas poderiam ser atingidas e, assim, colocar em risco a segurança das famílias que estiverem no local.

Histórico

Uma decisão liminar de 2015, emitida logo após o rompimento da barragem de Fundão, determinou a construção de um barramento emergencial no rio Pequeno para impedir o contato das águas do rio Doce com a lagoa Juparanã. Apesar de temporário, o barramento permaneceu instalado por força de uma sentença proferida pelo juiz de Linhares, à época competente para o julgamento da ação, o que agravou a ocorrência de alagamentos, já habituais na região.

A Fundação Renova informa que, das 33 famílias que residiam na avenida Beira-Rio em março deste ano, 5 permanecem em suas moradias e 28 estão em moradias provisórias.

Sobre a Fundação Renova

A Fundação é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar, com autonomia técnica, administrativa e financeira, os programas e ações de reparação e compensação socioeconômica e socioambiental para recuperar, remediar e reparar os impactos gerados a partir do rompimento da Barragem de Fundão, com transparência, legitimidade e senso de urgência.

A Fundação foi estabelecida por meio de um Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente, dentre outros), em março de 2016.

1comentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
VEJA TAMBÉM
Ele1 - Criar site de notícias