Turismo Praias/Lagoas

Protesto: Documento entregue à Renova prevê fechamento de ferrovias

Postada em: 21293

Um documento redigido em comum acordo entre os grupos de pessoas prejudicadas pela lama de rejeitos de minérios que desceu pelo Rio Doce após rompimento de barragem em Mariana, Minas Gerais, prevê um novo manifesto, mas desta vez vem mais radical, caso a Fundação Renova, entidade criada para dialogar e tratar sobre o assunto com os prejudicados, não pague indenização no prazo de 30 dias de, no mínimo 10 pessoas, de cada classe.

Leia também – Protesto de prejudicados por lama da Samarco marca segunda-feira em Linhares

Mas os manifestantes não listam apenas assuntos relativos à indenização. Eles também querem outras ações por parte da Fundação como, por exemplo, o laudo da água com resultado divulgado em rede nacional, e justificam: “As comunidades da foz do rio Doce dependiam economicamente da água, seja do rio e mar, para pesca, agricultura e turismo. Assim, com o objetivo de retomada do setor econômico e atividades produtivas da foz, os manifestante querem a divulgação em rede nacional do laudo água do mar das regiões que compreendem Barra do Riacho á São Mateus e Estuário e Foz do Rio Doce”. Confira abaixo a íntegra do documento:

“À Fundação RENOVA A manifestação anunciada está sendo realizada na data de hoje 26 de junho de 2017 em frente ao escritório da Fundação Renova de Linhares, eis que passados 20 meses de transformação indesejada na vida de PESCADORES, COMERCIANTES, AGRICULTORES e RIBEIRINHOS da foz do rio Doce A INDENIZAÇÃO NÃO ACONTECEU. Objetivos da manifestação:

 >> REVISÃO DOS CADASTROS NEGADOS Os manifestantes solicitam que a Fundação Renova faça a revisão levando por BASE OS REGISTROS DO PSF DOS ANOS 2014/2015 de moradores das comunidades da foz. Os registros existem nos Postos de Saúde de cada localidade.

>> LAUDO DA ÁGUA As comunidades da foz do rio Doce dependiam economicamente da água, seja do rio e mar, para pesca, agricultura e turismo. Assim, com o objetivo de retomada do setor econômico e atividades produtivas da foz, os manifestante querem a DIVULGAÇÃO EM REDE NACIONAL DO LAUDO DA ÁGUA DO MAR DAS REGIÕES QUE COMPREENDEM BARRA DO RIACHO À SÃO MATEUS e ESTUÁRIO E FOZ DO RIO DOCE.

>> PAGAMENTO Os manifestantes querem que o PROGRAMA DE INDENIZAÇÃO MEDIADA (PIM) INICIE OS PAGAMENTOS DOS PESCADORES, COMERCIANTES, AGRICULTORES E RIBEIROS EM NO MÁXIMO 30 DIAS, a contar da data de hoje – 26 de junho de 2017.

>> NOVOS MANIFESTOS Os impactados informam que, não havendo registro de pagamento de indenização no prazo de 30 dias de, no mínimo 10 pessoas, de cada classe PESCADORES, COMERCIANTES, AGRICULTORES E RIBEIRINHOS, O GRUPO DE MANIFESTANTES IRÁ PROTESTAR FECHANDO FERROVIAS, com o objetivo de prejudicar as atividades produtivas das empresas Samarco, Vale e BHP, assim como fizeram com os PESCADORES, COMERCIANTES, AGRICULTORES E RIBEIRINHOS da foz do rio Doce.”

Na ocasião em que informamos sobre a organização do manifesto, por nota, a Fundação Renova disse: “A Fundação Renova, entidade autônoma e independente que está à frente das ações de reparação, mantém seu compromisso de atender todas as pessoas impactadas pelo rompimento da barragem. Especificamente em Linhares, a Fundação começou no início do ano os atendimentos do Programa de Indenização Mediada (PIM) por danos gerais, que é destinado a pessoas e micro e pequenas empresas que tenham sofrido perdas materiais referentes às suas atividades econômicas, em consequência do rompimento da barragem. Esse é o caso de pescadores, agricultores e comerciantes, por exemplo. Para levantar informações sociais e econômicas detalhadas de todos os impactados, a Fundação realizou um cadastro integrado. A partir desses dados, estão sendo definidas ações de reparação e integração das pessoas aos programas previstos pela Fundação. Também por meio do cadastro, as equipes da Renova estão entrando em contato com os impactados para atendimento de indenização. É importante ressaltar que no final de 2016, a Fundação realizou o processo de antecipação de indenização, com o pagamento de valores para os comerciantes. Nesse momento, o mesmo procedimento está em andamento com os profissionais da pesca”.