Colunistas

Você daria um cheque em branco ao político que pensa votar em 2016?

Postada em: 1625

Muito interessante a observação do jornalista Ronaldo de Almeida. Leia e tire as suas próprias conclusões, pois ano que vem é ano político:
“Você teria coragem de dar um cheque em branco para esse mesmo politico que você está pensando em votar no ano que vem?
Para ocupar o cargo de Gari você precisa ter ficha limpa na polícia e atestado de bons antecedentes.
Na vida privada, desde que não invada, perturbe, atrapalhe a vida de outras pessoas não há nada que devamos nos incomodar, devemos simplesmente respeitar assim como devemos exigir respeito a nossa vida privada.
Mas ao homem público como o próprio nome já diz, público, tudo que diz respeito a sua vida pública ou privada é de total interesse da população. Pois é esta população que com seus altos impostos sustenta e mantém a vida do homem público e sua família.
O carro, a comida, o telefone, a empregada, o motorista, a escola do filho e o salão da esposa, tudo é pago com dinheiro público.
Por isso o homem para querer exercer qualquer cargo público, principalmente os cargos eletivos, deve antes de qualquer coisa ter uma vida correta, uma ficha limpa, uma conduta irrepreensível, sua postura, seus atos e sua vida particular deve ser ilibada, uma imagem imaculada, seus atos devem ser em prol e em beneficio do povo.
O homem público foi eleito para ser o líder e o representante do povo, ele é o espelho e a esperança do povo que o elegeu. O homem público não deve ter mancha em seu nome, não deve pairar nenhum tipo de dúvidas ou suspeitas sobre seu caráter.
Nas mãos do homem público entregamos um cheque em branco, e nesse cheque está o futuro de nossos filhos, o nosso futuro, está o futuro de nossas escolas, o futuro de nossa saúde, de nossos idosos.
Sempre culpamos os políticos de serem corruptos, mas quem é que elege os corruptos? Em quem vamos confiar o futuro de nossos filhos nas próximas eleições? Se se filho perguntasse em quem você vai votar, você teria orgulho de responder ou teria vergonha?
Ronaldo de Almeida.”
Ronaldo Almeida é jornalista