Polícia

Fui humilhada e agredida: Travesti registra ocorrência de agressão dentro de boate em Linhares

Postada em: 21350

Determinada a pedir justiça, a travesti Ariely Hayalla, ao procura o Site Eu Vi em Linhares nesta tarde de segunda-feira (6) para expor o que lhe aconteceu na madrugada de domingo (5), fez apenas um pedido: Que o seu nome de batismo não fosse divulgado, e sim o social.

Ela nos enviou um Boletim Unificado, fotos e disse que sente muitas dores, mas que "a dor maior está na alma". Emocionada, a travesti disse que as agressões que aparecem nas fotos em destaque são resultado de um ocorrido dentro de uma boate, no Centro de Linhares. Ela culpa os seguranças do estabelecimento.

A vítima, conforme relatado no Boletim Unificado registrado às 11h33 do domingo, na 16ª Delegacia Regional de Linhares (DRL), disse que estava no estabelecimento com uma amiga e que um casal estaria debochando desta amiga, e ao fazer com que a amiga visse tal deboche, esta se alterou com a situação.

Neste momento, diz o BU, Ariely teria sido levada para "uma salinha na recepção", onde teria ocorrido as agressões físicas, além da exigência da travesti em pagar pela conta por duas vezes. O BU destaca que a vítima começou a fazer imagens com o celular, mas foi impedida pelos seguranças que a teriam "jogado para fora como um lixo".

A ocorrência da PC também cita que uma funcionária da boate ajudou a travesti, e que o celular foi devolvido. A vítima passou por exames e a orientação médica é repouso por pelo menos 30 dias para que o inchaço do punho acabe.

O outro lado

Nós enviamos demanda para o estabelecimento, e estamos aguardando retorno. Contudo, a vítima disse que entrou em contato com o responsável e expôs a situação. Este teria garantido que tomaria todas as providências que requer o caso.