Colunistas

Estupros em clínicas, consultórios e hospitais: Tragédia é muito maior do que a divulgada

Postada em: 14784

Proteja você e sua família, jamais permita que crianças e adolescentes sejam consultados ou examinados em ambientes fechados e sem a sua presença ou da presença de outros profissionais de saúde, orienta o delegado Fabrício Lucindo Lima. Acompanhe abaixo:

Hoje todos nós fomos informados de uma tragédia nacional, que muitas vezes fica oculta nas estatísticas oficiais: a divulgação de que foram notificados 1.453 estupros em 10 anos, crimes registrados somente em clinicas médicas, hospitais, postos de saúde, consultórios médicos e odontológicos no Estado de São Paulo. Uma surpresa para muita gente, mas não para quem já trabalha há tantos anos na Polícia Civil e acompanha de perto o trabalho brilhante dos conselheiros tutelares.

Para que todos entendam que a tragédia é muito maior do que a que foi divulgada, os dados são somente de São Paulo, o Estado mais desenvolvido da nação. Imaginem vocês se os números fossem apurados no Brasil inteiro, se nos tivéssemos em mãos os dados estatísticos  de todos os Estados e todos os Municípios da nação? Provavelmente nós nunca mais dormiríamos em paz.

Os dados divulgados são apenas a ponta do iceberg, desse escândalo de abusos sexuais flagrados em clinicas, hospitais, consultórios médicos e odontológicos. Para se conhecer o tamanho real da tragédia é preciso entender que, segundo estimativas apuradas por organismos nacionais e internacionais, e também, segundo o que pude vivenciar em mais de uma década na Polícia Civil, apenas 10% (dez por cento) dos casos de estupros e violências sexuais são comunicadas à Polícia. Ou seja, de cada 10 casos, apenas um é comunicado.

Partindo-se dessas informações, provavelmente o número real seja quase 15.000 (quinze mil) pessoas, crianças, adolescentes e mulheres, vítimas de estupradores, ou seja, entre 4 (quatro) e 5 (cinco) casos de crimes de violência sexual registrados por dia, isso somente em clínicas e hospitais do Estado de São Paulo; De novo, vale frisar bem, imaginem no Brasil inteiro...?

As Vítimas de crimes de estupros e outros crimes sexuais, de regra ficam psicologicamente traumatizadas, envergonhadas, humilhadas, algumas até se culpam pelo ocorrido. Elas são bombardeadas por ameaças de seus agressores... algumas vítimas relatam que tamanha era a confiança no profissional de saúde, que custou a acreditar que o abuso sexual estava ocorrendo naquele momento.   

O que fazer?

Proteja você e sua família, jamais permita que crianças e adolescentes sejam consultados ou examinados em ambientes fechados e sem a sua presença ou da presença de outros profissionais de saúde. Caso não possa estar presente, indique uma pessoa de sua estrita confiança para acompanha-la. Adulto, ao ser examinada, peça a presença de outro profissional de saúde para acompanhar o procedimento,  ao menor sinal de abusos sexuais, não tenha medo,  procure a Polícia Civil e denuncie.

Fabrício Lucindo Lima é delegado de Polícia Civil