Turismo Praias/Lagoas

Lagoa Juparanã: Banhistas reclamam de cobrança de pedágio na Praia das Três Pontas

Postada em: 39750

Tarde de segunda-feira (12), penúltimo dia do feriado prolongado em decorrência do Carnaval 2018. Antônio Damasceno Sobrinho saiu com a família de uma propriedade rural, em Aracruz, para visitar a Lagoa Juparanã, mais precisamente a Praia das Três Pontas, no bairro Canivete. Acostumado a levar a esposa e a filha ao local, desta vez ele quis mostrar a paisagem para os sogros, que vieram de Minas Gerais para passarem o feriadão no Espírito Santo. "Só não entendi o motivo de agora ter que pagar. Nunca me cobraram e desta vez pediram Cinco Reais", disse ele ao entrar em contato com a nossa Redação (27 99808-4347).

Leia também - Prefeitura anuncia "Praia Acessível" na Lagoa Juparanã

De acordo com Antônio, a pessoa que recebeu os R$ 5,00 disse que o pedágio aconteceu também no sábado e no domingo, dias 10 e 11. "Eu estranhei porque não havia nenhum aviso, nenhuma placa, nada para que as pessoas chegassem pelo menos preparadas com o troco, né?", disse ele.

Na mesma tarde, Fernando de Oliveira, morador do bairro Shell, foi à Lagoa Juparanã, com as filhas e as sobrinhas. "Era umas 15 horas e me cobraram Dois Reais, ou não passava. Achei um absurdo isso, e queria saber se podem cobrar", disse ele ao pedir que o Site Eu Vi em Linhares expusesse a situação.

Eliane Silva Machado, mora no bairro juparanã, e também procurou a nossa Redação. Esta, além de reclamar nos enviou o vídeo abaixo e disse que foi à Praia das Três Pontas com a família, ao meio-dia, e pagou R$ 5,00. As imagens, segundo ela, foram feitas às 15h00 desta segunda-feira (12), no momento que voltava da lagoa. "Paguei Cinco Reais para entrar. Eles não deram recibo. Quando cheguei tinha muita gente voltando porque foram pegos de surpresa, se recusaram a pagar e foram impedidos de entrar. Eu paguei porque já tinha prometido pros meus filhos que iria levá-los", disse ela.

Nós não conseguimos contato com nenhum responsável pela lagoa, mas o espaço está aberto caso haja desejo de manifestação (27 99808-4347). Contudo, a informação que chegou à nossa Redação por outro leitor, o comerciário Ângelo Joaquim Matson, é que a cobrança do pedágio foi justificada por um serviço de manutenção na lagoa.