Polícia

Koban: Sistema japonês recebe elogios da cúpula da segurança de Linhares durante seminário

Postada em: 3678

O presidente do Conselho Interativo de Segurança Pública de Linhares (Consel), Márcio Roney Santos Correia, participou do Quinto Seminário Internacional de Polícia Comunitária (as atividades se encerraram na terça-feira, 28), em Vitória. Ao longo de dois dias de exposição, as Instituições representadas puderam constatar riquíssimas trocas de experiências proferidas por sete palestrantes, suas percepções e olhares fortemente evidenciados em torno da temática de segurança pública.

Todos os expositores convergiram em suas falas no sentido de fortalecer a filosofia de Polícia Comunitária, integrando uma estratégia em que as Instituições policiais devem pautar suas condutas operacionais, administrativas e de constantes capacitações. Durante cada dia do seminário, cerca de 200 pessoas participaram das palestras.

No primeiro dia de seminário, a perita de longo prazo da Polícia Nacional do Japão, Hisami Ohashi, explanou acerca do ambiente social e criminal do seu país. Detalhou toda sistemática da estrutura policial japonesa com destaque para o sistema Koban utilizado por eles, dentro de uma filosofia de mais de 140 anos. “O evento foi muito importante. Estamos plantando uma semente e sonhamos com um país mais civilizado com menos violência. O Japão é um grande exemplo”, disse o presidente do Consel.  Márcio foi um dos convidados da Polícia Militar do Espírito Santo.

Comandante do 12º Batalhão fala sobre o Koban

O tenente coronel Wérison Rísperi, comandante do Décimo Segundo Batalhão da Polícia Militar em Linhares, integrante do encontro, disse que é importante o processo comunitário com o envolvimento de instituições legalizadas e organizadas como o Consel para auxiliar o Estado nas questões sociais e de segurança. “O exemplo japonês do sistema Koban é cultural. Precisamos aprender com isso. Passar do individualismo para o bem comum. Isso pode contribuir muito também com o nosso dia a dia, inclusive na segurança”, afirmou. 

No evento, os militares  fizeram um balanço do acordo de cooperação técnica celebrado entre a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Polícia Militar do Espírito Santo, Secretaria Nacional de Segurança Pública e Polícia Nacional do Japão. Revelaram que quatro oficiais estiveram no Japão ao longo do período de vigência do acordo para conhecer o sistema de segurança oriental.

Os trabalhos foram encerrados pelo tenente coronel Alex Volney de Almeida, respondendo pela diretoria de Direitos Humanos e Polícia Comunitária. “Esperamos que o evento possa disseminar uma filosofia de extrema relevância já reconhecida internacionalmente como forma mais bem delineada de aproximação da polícia com sociedade. Polícia comunitária é um caminho sem volta para todas as Instituições policiais”, pontuou. 

O seminário foi organizado através de uma parceria entre a Polícia Militar do Espírito Santo, a Secretaria de Defesa Social do município de Serra e a Associação de Cooperação em Ciência e tecnologia Brasil-Japão (ACCTBJ). Contou com o apoio da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), da Japan International Cooperation Agency (JICA), da Faculdade Centro Leste (UCL) e a Arcelor Mital.

Fonte: Consel

Nota: Koban. A kōban é um modelo de posto policial japonês, que remonta ao século XIX. É a base física da estrutura de polícia comunitária no Japão, adotado por diversos países, entre eles: Estados Unidos, Taiwan, Brasil e Coreia do Sul.